Bem-vindo ao nosso website.

Tem idade legal para consumo de bebidas alcoólicas no seu país?

Sim
Não

 

Ao enviar este formulário, está a concordar com a nossa Politica de Cookies e Política de Privacidade, cuja leitura prévia recomendamos.
RECUSAR

logo
menu logo menu

Copiado para a área de transferência.

08 April 2018

Partilhar   

A vinha velha é uma máquina, por Edgardo Pacheco

E este Portalegre 2015 é um regalo para aqueles que têm saudades dos tintos frescos do Alentejo

A vinha velha é uma máquina, por Edgardo Pacheco

Embalados pelos vinhos Ontem, da semana passada, regressemos de novo ao tema das vinhas velhas porque há gente que acha que isto é conversa dos especialistas do marketing. Não é nada. Por diferentes razões, uma vinha velha dá vinhos muito mais complexos. Dá muito menos uvas, mas as que produz são mais ricas.

 

Vejamos. Uma cepa não passa de uma máquina viva para produzir uvas, que está permanentemente sujeita aos humores do tempo. Se o ano é muito seco, as uvas mirram e apresentam-se desequilíbrios. Se chove muito, as uvas apodrecem de um dia para o outro.

 

Agora, por que razão uma cepa velha consegue contornar melhor estes problemas, produzindo uvas sãs com maior regularidade? É porque, por ser velhinha, as suas raízes desceram muito no solo. Assim, perante a seca, a planta consegue ir buscar água a uma profundidade considerável e, perante o excesso de chuva, a sua longa estrutura radicular tem capacidade para absorver água, impedindo assim que os bagos apodreçam com excesso de água.

 

Por outro lado, uma vinha velha à moda antiga tem muita variedade de castas, oferecendo maior riqueza para o enólogo meter numa garrafa, pelo que teremos sempre mais aromas e sabores.

 

Ora, toda esta conversa surge porque por estes dias provei com grande satisfação este Portalegre 2015. Satisfação pelo facto do vinho me recordar os saudosos Portalegre dos anos 90 (1995 e 1997) e satisfação por ficar com a ideia de que a riqueza vínica desta região alentejana singular vai regressar às prateleiras, agora com o trabalho de Manuel Rocha na gestão, e Nuno do Ó e José Reis na enologia. Com uvas da Quinta da Cabaça, da Quinta da Penha e de inúmeras parcelas de pequenos viticultores da serra de São Mamede a equipa em causa vai reavivar as antigas marcas da antiga Adega Cooperativa de Portalegre – que agora passa a Adega de Portalegre. O que significa que voltaremos a sentir vinhos alentejanos não padronizados e, claro, mais frescos.

 

Em matéria de vinhos, alentejos há muitos. E este é tinto para gente que tem bom gosto na hora de escolher um vinho.

Fonte: Edgardo Pacheco, Correio da Manhã, 08.04.2018.

Partilhar

Copiado para a área de transferência.

Outras Leituras

Adega de Portalegre conquista grande medalha de ouro na 25ª edição do concurso mundial  de Bruxelles

29 May 2018

Adega de Portalegre conquista grande medalha de ouro na 25ª edição do concurso mundial de Bruxelles

O Vinho Tinto Portalegre 2015 recebeu a mais alta das distinções entre 9.180 vinhos

Ler mais
Adega de Portalegre relança “Portalegre DOC”

04 April 2018

Adega de Portalegre relança “Portalegre DOC”

Sempre foi um dos vinhos tintos mais cotados do Alentejo e o seu apogeu deverá ter acontecido na década de 90.

Ler mais
Ver mais